E Tornou-se Fábula…

Essa foi a peça mais recente que escreví. Um danada de 10 minutos para grande orquestra (2 flautas, 2 oboés, clarinete, clarone, 2 fagotes; 4 trompas, 3 trompetes, 3 trombones, tuba; 4 percussionistas; harpa e cordas completas), quem já escreveu pra esse efetivo sabe o trabalho que dá…

As idéias iniciais eram: 1- utilizar o conjunto de notas 3-2 (013), na classificação de Allen Forte, trabalhando, como venho fazendo nas minhas últimas peças, com saturação motívica. Assim, formo dois hexacordes com três transposições ou inversões diferentes do conjunto e utilizo de diversas maneiras, ordenada (série) ou não ordenada (permutações). Como venho trabalhando, inclusive na minha tese, retiro o máximo de abstrações possíveis fora do parâmetro das alturas, utilizando as proporções do conjunto. No caso, por mera falta de tempo e prazo a cumprir, só defini a forma da peça utilizando as proporções do hexacorde mencionado anteriormente. 2- Fazer uma espécie de concertino triplo utilizando o clarone, o trombone e a marimba como solistas. Portanto na forma predefiní seções contrastantes entre tutti e solo. Havia definido também dois movimentos e uma cadenza tripla.

No processo desisti das duas últimas ideias, ficando a peça com um movimento único.

Outro detalhe interessante do processo foi como foi sendo construída uma narrativa, a princípio não esperada. Sempre mostro as coisas que componho à Érica, minha digníssima quase-esposa, mesmo durante o processo de composição. Ela sempre ouve as coisas e vai criando estórias a partir do som e isso rende no mínimo diversão e boas risadas. Até aí tudo bem, só que dessa vez acabei me deixando contaminar pela estorinha que ela criava e me peguei tentando, obedecendo meus planejamentos, guiar os próximos passos da estória. Acabou que ficou um processo bem interessante, onde uma coisa ia contaminando a outra. Precisei ainda fazer um final feliz, quase que por exigência, a mocinha não podia tomar tanta porrada assim… Terminei também por mudar o título, pra ficar condizente com o processo, e dediquei obviamente a peça a ela.

Infelizmente enviei para a seleção da Bienal de Música Contemporânea Brasileira de 2011 e a peça não foi classificada. Bom que rendeu uma peça legal e uma estória melhor ainda.

2 comentários

  1. Cadê a música seu Espinhoso? Pelo menos uma palhinha…

    1. Lú, só tenho aquela coisa tosca do Finale… mas vou ver se tem alguma parte menos ruim… abrs

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: